26 julho 2013

Sempre me fiz de forte quando algo mexia comigo, sempre guardei para mim o que de mais doce tinha para oferecer, porque achava que nunca ninguém iria perceber-me. Pensava que ao encontrar alguém que, de alguma forma, me completasse, me iria libertar dos medos que anteriormente me mantinham fechada no meu Mundo. E então percebi que eles nunca poderão desaparecer, por eu ser um baú, um grande baú sem fundo, que não consegue desapegar-se de nada nem ninguém a menos que seja obrigada a isso. Também percebi o quanto isso pode magoar as pessoas que gostam de mim e sinto muito. Sinto mesmo. Nunca foi minha intenção usar ninguém, de modo nenhum. Quando estava em baixo choraram comigo, não me deixaram desistir de mim, ajudaram-me a perceber que estava aí alguém à minha espera e que eu merecia alguém que me tratasse bem. E tinham razão. Encontrei mesmo. Sabem quando acordam e vêm raios de sol pela janela, e o quão se sentem satisfeitos e encaram melhor o dia? É assim que eu me sinto todos os dias. Espero estar à tua altura, és maravilhoso, e eu nunca seria capaz de encontrar alguém como tu... tu é que me encontraste a mim. Amo-te, pequeno. E um dia vamos tirar fotos em todos os cantos do Mundo. 

1 comentário: