06 janeiro 2013

de mim para mim

Sabes, quando tudo o que nós queríamos que não acontecesse, acontece, dá-se uma revolução interior. As mãos geladas tremem, e o nó na garganta não se desfaz. É duro e é injusto. Intolerável, por vezes. A tua alma fica vazia e em choque durante muito tempo. Não consegues reagir, mas permaneces serena, porque é essa a tua essência. A culpa não é só do mundo, da outra pessoa, também é tua e tu sabes disso. Mas escondes as pequenas fraquezas e voltas a sorrir. Os dias são duros e à noite tudo parece mais difícil e insuportável. Mas aí alguém te relembra que na verdade não estás sozinha e que o teu amor pode ser repartido com aqueles que querem o teu bem-estar e que se preocupam contigo. Às vezes o sono não vem, não é? Eu sei. E quando vem... a realidade permanece nos sonhos e insiste contigo, faz pressão para que mudes alguma coisa, mas tu sabes que não há nada que possas fazer, porque todo o amor deve ser recíproco. Sabes que és mais do que mostras, que és mais do que os outros imaginam. Não és fraca, não... és profunda, verdadeira, és a cores. Sabes que o choque passa a saudade, e a saudade dói... muito. Mas preparas-te, sais de casa, vais ter com quem nunca te deixou. E sabes o que os outros, quando te vêem, questionam? "Como é que ela continua a sorrir?". 

3 comentários:

Vânia Alves disse...

cada palavra, cada frase, cada pormenor que aqui está aquece-me o coração, o teu cantinho é lindo, desculpa mas tinha que dizer isto, aqui sinto-me em casa!

Vânia Alves disse...

cada palavra, cada frase, cada pormenor que aqui está aquece-me o coração, o teu cantinho é lindo, desculpa mas tinha que dizer isto, aqui sinto-me em casa!

Esther disse...

eu fazia isto antes, escrevia para mim própria..mas era muito mais negativa.
gostei..vês cores. falas em sorrir. é bonito, não deixa de ser bonito, lá porque a nostalgia te invade..vive