02 abril 2012

Há um turbilhão de coisas que sinto ao ver este filme, e no entanto já o devo ter visto umas vinte vezes. Íncrivel como a procura pela liberdade, fugindo da sociedade, o simplesmente viver, rejeitando os bens materiais, ganha forma. Ensina-nos que, as relações com o Homem- que todos um dia já pensamos ser as mais importantes- são tão medíocres, porque a Natureza está por cima disso tudo, tal como a vida animal, as experiências, as loucuras, o amor e a fé. É de louvar o que uma pessoa consegue fazer só com determinação, força de vontade e um grande espírito selvagem, apesar de todos os problemas com que se pode deparar ao longo de uma curta vida. Podemos ter tudo na vida, dinheiro, fama, poder, o que seja, mas coragem...coragem para fazer o que este jovem, Christopher Mccandless, fez, de deixar tudo para trás para seguir um instinto, uma voz que o chamava, e que ele seguiu...e saber que é real, que aconteceu mesmo, só me dá vontade de sair daqui e como ele, viver uma vida feliz- e com feliz poucos de vocês conseguem perceber o que eu quero dizer-, sem rótulos, sem preconceitos...e viver...só viver de uma liberdade levada ao extremo. Se há coisa que eu quero fazer, é isso. Se há sonho que quero concretizar, é esse. Isso sim, são sonhos. Não bens materias, mas sim sonhos de verdade, pessoas fúteis! Espero um dia ver de perto o Autocarro Mágico e chorar, chorar muito, nos ombros da mãe Natureza.
If you want something in life, reach out and grab it...



3 comentários:

Inês de Castro disse...

Este é um dos meus filmes preferidos :)

Rosetta Stoned disse...

e com feliz poucos de vocês conseguem perceber o que eu quero dizer-, sem rótulos, sem preconceitos...e viver...só viver de uma liberdade levada ao extremo - muito bene :)

inês disse...

que filme..