24 março 2012

Tive que aprender. Tive que aprender que sou o que não tenho, que sou o que perdi e que sou o que recusei. Mantenho os pensamentos numa constante rotação. A verdade é que temo, por não querer esperar mais de quem se recusa porém, a seguir o equilibrio. Sim, eu... eu irei ouvir-te pacientemente, a menos que percas o dom de sonhar. Firme. Gostava de poder dizer-te que é fácil, do quão fácil é lembrares-te de que mesmo quando o dia está cinzento, o amor está em toda a parte, em torno de uma missão presente. Que fluis, que não és uma alma velha e chata. Só queria... só queria dizer-te, que tudo o que eu realmente sei agora, se perde quando o sol se põe, porque te transformas em algo que eu não consigo segurar... e fico fora da missão. Antes de adormecer, sussurrei "transforma-te em amor esta noite. agora vai." e desapareces... mas eu sei que amanhã voltas.

4 comentários:

sophie disse...

adoro :)

mai disse...

Obrigada minha linda, <3

Rute Maia disse...

Adorei, adorei! *.*

Lucia disse...

este texto está tipo, per-fei-to. e sim, é uma pena mas somos muitas vezes o que não temos. beijinhos ivone :)