13 outubro 2011

Sinto que estou de luto. Amor também o merece, perdi-o. Tenho medo de que com o tempo me esqueça de tudo… é o que mais temo. É triste, daqui a uns meses não saberei de ti, como agora. Não sei de ti, mas tu com certeza sabes de mim. Dou sinais de vida, possuo respiração lenta e ansiosa… mas não me respondes. Imagino-te a leres as minhas mensagens: tenho saudades tuas, gostava de te voltar a ver, dá notícias por favor. Certamente estarás com um olhar vazio e despreocupado, como quando deves estar quando não atendes chamadas, tentativas de conversa. Desculpa. Disse-te fico feliz por ti, sinceramente. E repito-o. Vive, vive bem, feliz e satisfeito, mas não destruas outra alma como a minha. Por favor não o faças... por favor.
Um beijo na testa... com uma imensa saudade.

6 comentários:

Cassandra disse...

O amor perdido também merece um tempo de luto, um bater na realidade de que já não está presente! Não irás esquecer, se te mudou, não irás.

Beijo, Cassandra (Outrora Al*)

inês disse...

adoro o teu blog :)

Esther disse...

saudade porque existes? não é?

disse...

sinto-me totalmente assim, totalmente. sei tão bem pelo que estás a passar e é duro, é duro dizer-lhes para serem felizes mesmo que isso signifique não sermos nós a felicidade deles. é dificil enviar uma mensagem ou fazer uma chamada e não obter sinais, não obter resposta ou não ouvir a voz dessa pessoa do outro lado a dizer alguma coisa. é dificil, e ainda mais dificil é saber que deste lado o esquecimento não impera e do outro é o rei. tem força Ivone, tem muita força!

disse...

não é fácil lutar contra um sentimento que não se quer ir embora, que contra tudo e todos quer quem já não lhe pertence, ou talvez nunca lhe tenha pertencido. mas o amor é assim, também chega ao fim, ou talvez a paixão chegue ao fim. pois acho que, daqui a alguns anos, vamos olhar para trás e lembrarmo-nos da pessoa especial que aquele ser foi, mas que deixou morrer o sentimento que dizia possuir com o tempo, como quem acende o cigarro, lhe dá meia duzia de passas e deixa que o vento mate o resto. obrigada pela força. beijo

Raquel disse...

Há momentos que apetece mesmo desatar a chorar e adormecer assim mesmo, não achas?