11 julho 2011

in the dark

Sou um ser curioso, egoísta, teimoso. Adoro conviver mas, também adoro estar sozinha. Adoro meditar, pensar. Adoro quando o que digo não tem nexo, e adoro quando só eu é que percebo. Adoro dormir e acordar tarde mas, também gosto de acordar cedo, pois é de manhã que possuo mais energia. Adoro cantar no chuveiro, nas aulas, para a Rita e para a Mónica. Adoro fotografia. Adoro fotografar. Adoro azul, vermelho e verde. Adoro o psicológico. Adoro aventura. Adoro o perigo. Não odeio a escola. Adoro quando os professores me chamam à atenção por me estar a rir incontrolavelmente e quando me mandam dar uma volta e eu não consigo parar de rir. Adoro festas mas há dias em que ninguém me tira do sofá. Adoro a calma que tenho em determinadas situações. Sou persistente, e quando meto uma coisa na cabeça não há ninguém que me dê a volta. Odeio graxistas. Não gosto de ceder, odeio dar a razão à outra pessoa mas, quando tem de ser, tem de ser. Sou preguiçosa, muito! Adoro reggae e tudo o que isso envolve. Sei ouvir quem merece ser ouvido. Digo o que penso, quando e como acho correcto. Sou impulsiva, e não sei dizer se isso é bom ou mau. Não gosto quando mexem nas minhas coisas sem pedir até porque, quando pedem é raro o “não”. Sei partilhar. Faço tudo pelos meus amigos e pela minha família nem que isso me leve à exaustão. Sou super orgulhosa, mas sei dar o braço a torcer. Odeio despedidas. Perdoo mas não esqueço. Não sou vingativa, só faço o que acho que tem que ser feito. Odeio quando levam tudo o que digo para uma discussão. O que eu faço é expor o meu ponto de vista… odeio discussões, mal-entendidos. Adoro estar na boa com toda a gente. Sou sensível, mas também sou fria. Choro com coisas que a maior parte não chora. Adoro recordações, memórias e objectos que me digam alguma coisa. Fico mal-humorada de um momento para o outro e isolo-me quando isso acontece. Tenho as minhas birras sem noção, quem não as tem? Adoro rir até me doer a barriga, até as pernas me falharem. Adoro chorar de alegria. Não suporto pessoas falsas. Não me meto com ninguém a não ser que se metam comigo. Tenho uma paciência de santa e é mesmo raro a pessoa que a esgota. Não sou racista, orgulho-me disso. Não tenho problemas nenhuns com gays, lésbicas, etc. Cada um é como cada qual. Afinal de contas, somos livres, certo? Não acho que a beleza seja só corpos bonitos, rostos bonitos, um bom cabelo, uns bons dentes, uma altura considerável. Não. As raparigas felizes, são as mais bonitas. Assim como os rapazes. Não acho que os homens sejam ‘todos iguais’, apesar de me deparar com várias situações que me empurram para o contrário. Adoro dias de praia, passados na melhor companhia. Adoro vestir-me como quero, como gosto. Adoro estar confortável, para mim é o mais importante, sentir-me bem. Não ligo a boatos, conversa fiada e olhares cínicos. Passa-me ao lado, sigo o meu caminho. Gosto de perguntas e gosto de não responder a algumas. Como a Mónica já me disse “adoro mesmo quando não me respondes”- adoro ironia! Devo ser a pessoa que mais come bolachas e massa à face da terra. Adoro passar horas a falar ao telemóvel com quem gosto, e de sentir que, do outro lado já se dorme, e de desligar a chamada calmamente e com um sorriso no rosto. Adoro ser mimada. Não troco um abraço por nada, e uma pequena briga também não. Odeio quando me julgam sem razão nenhuma. Odeio zangas por coisas mínimas. Não suporto ver a miséria de vida que algumas pessoas passam. Adoro adormecer todas as noites com música. Adoro ser directa, e indirecta quando me apetece. Adoro fumar quando me dá na cabeça, sem que isto esteja presente no meu dia-a-dia. Adoro o facto de comunicar com a minha mãe, como se ela tivesse a minha idade, sem ter que me preocupar com o que digo, se me sai ou não uma asneirinha e adoro quando o meu pai diz “vocês falam como se fossem irmãs”, adoro abraçá-la e senti-la perto de mim porque, mãe há só uma. Adorava poder estar com o meu pai todos os dias. Adoro sentir-me protegida. Adoro ser mais optimista do que devia. Adoro sonhar mas sei quando tenho que ter os pés bem assentes na terra. Há muita coisa que me magoa, mas disso não vou falar.
Não há ninguém que me perceba na totalidade e, muito sinceramente, adoro isso também!

9 comentários:

Sofia Moreira disse...

adorei mesmo :o

Sara Martins disse...

gosto bastante <3

Catarina Brito disse...

perfeito!

Rosa disse...

Já reparaste que a única pessoa que te vai perceber completamente és tu? Que o resto das pessoas apenas tiram ideias de ti e tu vais "variando" de sujeito para sujeito por mais que alguns amigos te conheçam muito bem

Rute Maia disse...

muito obrigada Ivone! (:
adoro também o teu, mesmo.

Pienezza disse...

Muito bom :) *

Mafalda disse...

Adorei o post Ivone:)

jessica disse...

Gostei. Gostei mesmo ! (:

disse...

foi uma optima semana, só que voltei com mais medo :s