30 julho 2011

Eu hoje tenho uma decisão a tomar. Posso optar por levar roda de burra, ingénua e tudo mais, ao perdoar algo que parece imperdoável aos olhos dos outros que estão de fora e talvez continuar feliz, por muito pouco que consiga, ou então posso não perdoar, viver de mágoa, angústia e frustração a pensar "e se...", sozinha e onde o silêncio se pode tornar o meu melhor amigo, não o sendo. Se tenho amor-próprio? Tenho. Preservo-me e ninguém me quer ver bem, tanto quanto eu quero. Mas o que é que são decisões, senão meras decisões? Se eu optar por isto ou aquilo, vou ser mais feliz assim? Que bom que era se assim fosse. Acredito que os seres humanos erram, erram todos. Existem milhões de actos que me levam a essa conclusão, a tais factos. E aí, aí não é bom tapar os olhos e, por alguns momentos, fazermo-nos de ingénuos? Não acreditar em tudo o que nos dizem, tapar os ouvidos e viver... viver livre e sem preocupações com coisas de caca, que são mesmo assim. Acreditar em quem realmente gostámos? Devia ser o mais provável, porque "ai a confiança é muito" e o amor, não é? Não conta? Só nos servimos dele para o que nos convém, para o que nos interessa. Hm, muito bem. Já eu, queria acreditar que o amor que me demonstram dar, é real. Sim... se bem que de um momento para o outro nos traem, manipulam, nos consomem a cabeça com perguntas às quais eu não sou capaz de responder porque, neste momento, sou uma alma vazia. Uma alma inculta, porque de um momento para o outro nos fazem questionar tudo o que fizemos até ao momento. Não foi pouco, admito. Faria tudo de novo, mais e melhor se fosse preciso! Posso até admitir que a pessoa em questão se questione, a si. Mas questionar-me a mim, a tudo o que eu fiz, a tudo o que demonstrei e a tudo o que passei? Por favor, isso não. Eu sei que gosto de ti. Arrisco em dizer que te amo. Deve ser a única certeza que tenho. E agora eu pergunto: quantas pessoas nos fazem sentir únicos, puros e especiais? Quantas pessoas nos fazem sentir extraordinários?

10 comentários:

disse...

obrigada ivone.
"quantas pessoas nos fazem sentir únicos, puros e especiais? Quantas pessoas nos fazem sentir extraordinários?", isto não apareceu no Marley and Me? e quantas vezes nos questionamos de tudo isso? quantas?

Sofia Moreira disse...

adorei Ivone!

andreia resende disse...

até mete pena oh!

Cáa M. disse...

São poucas as pessoas, mesmo !
O texto está lindo e acredito que tens uma decisão difícil pela frente mas, as decisões são para ser tomadas, para podermos escolher o caminho que realmente queremos seguir !

disse...

eu reparei porque estava a ver o filme e é a parte que me faz sempre chorar, das três vezes em que já o vi. são tantas as perguntas que por vezes estão dentro da nossa cabeça para as quais não conseguimos obter resposta, e estas são duas delas.

disse...

acredita que já pensei algumas vezes nisso. e adoro também a parte em que ele diz algo do genero "os cães não precisam de grandes carros, grandes casas roupas de marca. só precisam de amor e carinho." e se as pessoas fossem assim, não era tudo mais «bonito»?

Esther disse...

ainda bem ivone. as pessoas tem a mania de desconfiar, questionando. e depois olha, minha amiga foi o que foi.

Niqui disse...

tomar decisões é sempre complicado. e o complicado está associado a isso mesmo das questões. mas, deixas as questões de lado. segue o coração.

disse...

é orecisa saber lidar com algumas atitudes de certas pessoas, é preciso saber ser de pedra e não sentir algumas coisas que são minimas e tocam demais.

Catarina Brito disse...

são muito poucas as pessoas que nos fazem sentir únicos, puros e especiais.