13 maio 2011

- O que é que eu sou para ti?
- Tu és a minha casa. E a minha casa é onde eu estou contigo.
- Desculpa…desculpa por não entender na perfeição o que tu queres dizer com isso. Mas do pouco que percebi…tu queres viver comigo? É isso?
- Eu explico. Eu sou como um caracol. Ando com a casa nos ombros. Nestes tempos tenho carregado neles frustração. Medo. Medo por não conseguir dizer o que penso e o que sinto. Finalmente quero que tudo seja diferente, bonito, sincero... contigo ao meu lado. E quero carregar-te, amar-te, consolar-te. Quero estar perto quando chorares, quero adormecer-te...vestir-te o pijama sem que acordes, meter-te na cama e desejar-te boa noite com um grande beijo na testa! E então arrumar a cama onde te encontras – que é a minha - na mochila que carrego nos ombros e levar-te para todo o lado. Assim sim. Assim tenho a certeza que vais estar sempre comigo, sempre presente. Que inicie a caminhada. Estou pronto.
- Oh merda…merda. Queres mesmo viver comigo! Mas, tens que me prometer uma coisa!
- O quê? O quê?
- Promete que me ajudas nas mudanças!

5 comentários:

esther disse...

o fim deste diálogo diz tudo

Catarina disse...

muito bom, mesmo (:

Sara Almeida disse...

magnifíco! A-M-E-I, com todas as letras

joana disse...

isso digo eu! adorei mesmo*

MJ disse...

Lindo :D